• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

NOTA PÚBLICA DA CUT-RO

Empresários deveriam mudar o nome do movimento “Pensar Rondônia” para “PeSar - ‘pêsames’ - Rondônia”.

Publicado: 22 Junho, 2020 - 11h31

Escrito por: Assessoria CUT

notice

A Central Única dos Trabalhadores (CUT-RO) vem a público manifestar repúdio à posição de empresários e à omissão do governador Marcos Rocha, que insistem em manter comércios funcionando em meio ao aumento assustador no número de infectados pelo coronavírus e de mortes pela covid-19, principalmente, em Porto Velho.

Após o fim do Isolamento Restritivo (Lockdown), de 14 a 21 de junho, em apenas 7 dias, houveram 3.316 novos infectados, sendo 2002 na Capital, e mais 93 mortes das quais 67 ou 72% em Porto Velho. Uma imensa tragédia que custou quase uma centena de vidas em apenas uma semana e o tal movimento empresarial que deveria se chamar "PESAR, de pêsames, RONDÔNIA" ainda acha pouco.

Além disso, um estudo recente elaborado por cientistas da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), que fundamentaram a decisão do Conselho Municipal de Saúde que aprovou Recomendação unânime para retomada do Lockdown, alerta que: “diante da velocidade real de transmissão verificada nos últimos 30 dias, a não adoção de medidas de isolamento social ampliado, haverá um crescimento no número de casos e das internações e óbitos por COVID-19'".

Importante ressaltar que a adoção do lockdown imediato em Porto Velho já foi recomendado por diversos órgãos, além do Conselho Municipal de Saúde da Capital, como o Ministério Público Estadual, o Conselho Estadual de Saúde de Rondônia e a Ordem dos Advogados (OAB-RO). Estes órgãos estão preocupados em salvar vidas, “CPFs”, enquanto o “PeSar Rondônia” se preocupa com “CNPJs”. É preciso ressaltar que falências e falidos se recuperam, porém, mortes são perdas irreversíveis.

Lideranças empresariais estão atacando com veemência o retorno do Lockdown com pseudos argumentos, divulgados em jornal neste domingo (21), como "O prefeito nunca fez nada pela saúde desde que assumiu há três anos e fechar o comércio não vai produzir remédios nem aumentar os leitos à disposição da população".  Ora, este é só mais um motivo para o Lockdwon imediato.

Afirmam coisas estapafúrdias como "Ampliar e radicalizar o Isolamento neste momento pode até agravar a situação, lembrando que depois de 120 dias de suspensão das atividades econômicas, muitas pessoas já começar a entrar em depressão". Isso não impediu que a Itália, Espanha, EUA e dezenas de outros países fizessem Lockdown para salvar vidas.

O ‘PeSar Rondônia’ defende ainda que "caso retornarmos ao isolamento radical podemos começar a ter surtos de outras doenças, sem contar que, as famílias começam a ser contaminadas dentro de suas próprias casas, porque alguém tem de se expor para comprar o necessário à sobrevivência". Uma desfaçatez, pois trabalhadores e consumidores expostos em transporte coletivo e em atendimento dentro dos comércios estarão expostos dezenas de vezes mais ao risco de contaminação.