• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Motociclistas de Rondônia cobram: VALORIZAÇÃO JÁ!

Motociclistas Trabalhadores em Aplicativo de Rondônia cobram: VALORIZAÇÃO JÁ!

Publicado: 13 Julho, 2021 - 09h18 | Última modificação: 13 Julho, 2021 - 10h22

Escrito por: Assessoria CUT

notice

Na manhã de ontem (12), aconteceu na sede da Central Única dos Trabalhadores a Oficina de Formação com os motociclistas trabalhadores em aplicativo. O grande objetivo do encontro de hoje foi dialogar e conscientizar, sobre os graves danos do projeto político que prega a retirada de direitos da classe trabalhadora.

 

Os entregadores, trabalhadores cada vez mais essenciais, ainda continuam se arriscando em tempos de pandemia sem o amparo necessário. Para além da exploração própria das empresas que lucram sem reconhecer direitos trabalhistas, esses profissionais não contam com assistência de máscaras e demais proteções contra a Covid-19. Mesmo com aumento da gasolina, as taxas  de entregas não são reajustadas. E mesmo sem justificativa e detalhes sobre o funcionamento dos algoritmos pelos quais operam, alguns relatam baixa solicitação de entrega caso não liguem o App com certa periodicidade.

Para a Central Única dos Trabalhadores no estado de Rondônia, os trabalhadores em aplicativo representam hoje importante categoria que deve se organizar para defender os direitos trabalhistas, uma vez que para esses a relação entre empregados e empregadores não possuem leis específicas.

"Com 14,8 milhões de desempregados, precisamos cobrar que os trabalhadores tenham acesso ao emprego digno, e que este número não sirva como desculpa para precarizar cada vez mais as condições de trabalho.” diz Elzilene do Nascimento, presidente da CUT-RO.

A Associação de Motoboys e Ciclista por Aplicativo de Rondônia (AMOCIR) está atuante na cobrança das demandas da categoria e solicita pontos de apoio para os motoboys. A Associação também estuda a elaboração de um Projeto de Lei que crie melhorias para os trabalhadores. “ Organizados e mobilizados teremos mais forças para avançar com nossas reivindicações” pontua o presidente da entidade, Vagner Eufrazio.